A vida é uma peça de teatro que .... Situações do cotidiano quase psicótico que vivemos dentro de uma caixa preta que somos todos misteriosamente viciados.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

A "PEXÊRA" DE MEU PAI

Shakespeare, as vezes tem motivos suficientes para tremer no túmulo com algumas das montagens suicidas, que tem a boa intenção de “homenagear” o autor. Mas como sabemos, de boa intenção o inferno... Nessa montagem específica em que trabalhei no ano... não sei mais... o espetáculo era Romeu e Julieta, e o pano de fundo para a história dos amantes era Juazeiro do Norte. A versão nordestina da história com direito a participação do próprio autor que vinha reclamar os direitos autorais a Padre Cícero, que iniciava a narrativa, uma loucura. O fato é que o candango que fazia o romeu esquecia SEMPRE, de trazer consigo, para a cena da morte, uma tal peixeira que serviria de arma para o suicídio de Julieta, que era dignamente interpretada pela amiga Ronize Carrilho. Ai começa a maior loucura !!! Julieta acorda e procura desesperadamente uma maneira de “ir” até seu amado e não enconta nada. A atriz vai ficando cada vez mais nervosa, o elenco olha pela coxia e não vê como ajuda-la, então Ronize alcança um abacate no cenário e nus gesto rápido bebe o abacate tentando fazer a plateia entender que era um vidro ( verde e enorme ), de veneno. Ela grita com desespero na voz : Adeus para tanto ódio !!! E morre ... de vergonha.

Claro que a coisa não para por ai. Numa outra apresentação o desgraçado esquece novamente a maldita faca e a atriz não acredita estar passando por aquilo novamente. Dessa vez ela não recorre ao abacate , pois este esta longe dela. Julieta, vertendo lágrimas de sangue, e querendo matar de verdade o infeliz do ator que estava deitado a sua frente, junta as mãos, se odiando, e dá um SOCO na boca do próprio estômago. ...

Adeus para tanto ódio !!! ( e morre com um soco no estômago )


Parece brincadeira, mas dias depois o infeliz do ator esqueceu novamente ! Desta vez , escolada, a atriz procura calmamente a tal faca, e ao não encontra-la, ensaia um meio sorriso e diz :

Julieta – Eu sabia que você não ia deixar uma maneira de me juntar a você... por isso eu trouxe: ( Julieta saca um punhal de dentro do vestido ) A "pexêra" de meu pai !!! ADEUS PARA TANTO ÓDIO !!!!

6 comentários:

  1. Sensacional, Anderson!
    Teatro é realmente um território fértil, rs!
    Voltarei mais vezes ao blog, parabéns!
    Abração!

    ResponderExcluir
  2. Valeu Chahim,

    Obrigado pelo carinho.

    Abração

    Anderson

    ResponderExcluir
  3. Dani, acho que você em histórias boas...vamos contar ? hahaa

    ResponderExcluir
  4. e vem mais por ai Christian !!!!Aguarde rsrsrs

    ResponderExcluir